Forum Demos associa-se ao Joint Statement pela vida de Alaa Abdel-Fattah

Alaa Abdel-Fattah

Juntamente com mais de sete dezenas de outras organizações e movimentos de Direitos Humanos, o Forum Demos associa-se ao Joint Statement lançado pelo Project on Middle East Democracy em defesa do defensor de Alaa Abdel-Fattah.

O texto que aqui se publica encontra-se disponível no site do Project on Middle East Democracy.

Background information: On 29 September 2019, Alaa Abdel Fattah was arrested while fulfilling his probation requirements at El-Dokki Police Station. He was questioned before the Supreme State Security Prosecution (SSSP) on charges of joining an illegal organisation, receiving foreign funding, spreading false news, and misusing social media; he was then ordered into pretrial detention pending case no. 1356 of 2019. On the same day, Alaa’s lawyer Mohamed el-Baqer attended Alaa’s interrogation and was similarly arrested, questioned before the SSSP, and ordered into pretrial detention pending the same case and arbitrary charges. During their pretrial detention Alaa Abdel Fattah and Mohamed el-Baqer were arbitrarily added to Egypt’s terrorist list in relation to a separate case (no. 1781 of 2019), for which they have never been questioned or given the right to defend themselves. As a result of this designation, they face a travel ban, asset freeze, and for el-Baqer, potential disbarment as a lawyer. On 20 December 2021, following an unfair trial before a State security emergency court, in which they were denied their right to due process (defense lawyers were denied the right to present a defense on behalf of their clients, and denied permission to copy the case files), Abdel Fattah was sentenced to five years in prison, and el-Baqer and blogger Mohamed “Oxygen” Ibrahim Radwan to four years in prison on charges of “spreading false news”. Verdicts from such courts cannot be appealed. The time they spent in pretrial detention pending the original case ( No. 1356 of 2019) will not count as time served toward the December 2021 prison sentences, and the verdict is final since it has subsequently been ratified by President Al-Sisi. Further details here.

Preparations for COP27 are taking place against the backdrop of an ongoing and deep-rooted human rights crisis in Egypt. The Egyptian authorities have for years employed draconian laws, including laws on counter terrorism, cyber crimes, and civil society, to stifle all forms of peaceful dissent and shut down civic space. Under the current government of President Abdel Fattah al-Sisi, thousands continue to be arbitrarily detained without a legal basis, following grossly unfair trials, or solely for peacefully exercising their human rights. Thousands are held in prolonged pre-trial detention on the basis of spurious terrorism and national security accusations. Among those arbitrarily detained are dozens of journalists targeted for their media work, social media users punished for sharing critical online content, women convicted on morality-related charges for making Tik Tok videos, and members of religious minorities accused of blasphemy. Prisoners are held in detention conditions that violate the absolute prohibition of torture and other ill-treatment, and since President Abdel Fattah al-Sisi came to power hundreds have died in custody amid reports of denial of healthcare and other abuses. Egypt remains one of the world’s top executioners, executing 107 people in 2020 and 83 in 2021, with at least 356 people sentenced to death in 2021, many following grossly unfair trials including by emergency courts. The crisis of impunity has emboldened Egyptian security forces to carry out extra-judicial executions and other unlawful killings, enforced disappearances and torture with no fear of consequences.

Joint Statement – Alaa Abdel-Fattah’s Life at Serious Risk: Egyptian Authorities Must Release Him Now

Alaa Abdel-Fattah is a British-Egyptian writer, human rights defender and software developer. He was one of the leading voices and campaigners during the 25 January 2011 revolution. He has been published in numerous outlets; is well-known for founding a prominent Arabic blog aggregator; and has been involved in a number of citizen journalism initiatives. His book, You Have Not Yet Been Defeated, which compiles some of his deeply influential writings, has received widespread acclaim.

Alaa has been arrested under every Egyptian head of state during his lifetime. He is currently in detention following an unfair trial on spurious charges that relate to his human rights advocacy. On 2 April 2022, Alaa embarked on an open-ended hunger strike as a last bid for freedom. After more than 200 days of partial hunger strike, Alaa announced that, as of 1 November 2022, he is stopping his previous 100-calorie intake and moving to a full hunger strike. Alaa also decided that on 6 November 2022, coinciding with the beginning of COP27 in Sharm el-Sheikh, Egypt, he will start a water strike. This means that if he is not released, Alaa will die before the end of COP27.

If one wished for death then a hunger strike would not be a struggle. If one were only holding onto life out of instinct then what’s the point of a strike? If you’re postponing death only out of shame at your mother’s tears then you’re decreasing the chances of victory….I’ve taken a decision to escalate at a time I see as fitting for my struggle for my freedom and the freedom of prisoners of a conflict they’ve no part in, or they’re trying to exit from; for the victims of a regime that’s unable to handle its crises except with oppression, unable to reproduce itself except through incarceration” – Alaa wrote in a letter to his family announcing escalation of his hunger strike.

On 31 October 2022, the United Nations (UN) Special Rapporteur on human rights and the environment said, “In advance of COP27, I am joining the chorus of global voices calling for the immediate release of Alaa Abd el-Fattah, an Egyptian activist who has languished in jail for years merely for voicing his opinion. Freedom of speech is a prerequisite for climate justice!

We, the undersigned organisations and groups:

  1. Call on the Egyptian authorities to immediately release Alaa Abdel Fattah and all those arrested and detained solely for exercising their rights
  2. Call on the British authorities to intervene to secure the release of their fellow citizen Alaa Abdel Fattah so that he be allowed to travel to the UK, as his health is deteriorating to a critical and life-threatening point
  3. Call on the UN High Commissioner for Human Rights to publicly reiterate its call on Egypt to immediately release Alaa Abdel-Fattah, Mohamed el-Baqer, and all those arrested and detained solely for exercising their rights
  4. Call on UN Special Procedures to publicly reiterate their call on Egypt to immediately release Alaa Abdel-Fattah, Mohamed el-Baqer and Mohamed “Oxygen” Ibrahim Radwan and all those arrested and detained solely for exercising their rights
  5. Call on all government leaders and business leaders going to COP27 to use all possible leverage and urge the Egyptian authorities to immediately release Alaa Abdel Fattah and all those arrested and detained solely for exercising their rights
  6. Call on civil society organisations, groups and activists going to COP27 to urge the Egyptian authorities to immediately release Alaa Abdel Fattah and all those arrested and detained solely for exercising their rights

Signatories (updated on a rolling basis):

  1. Aberdeen Climate Action
  2. Access Now
  3. Addameer Prisoner Support and Human Rights Association
  4. African Earth Farms
  5. ALQST for Human Rights
  6. Amazon Watch
  7. Americans for Democracy & Human Rights in Bahrain
  8. Amnesty International
  9. Arab Resource & Organizing Center (AROC)
  10. Asia Pacific Network of Environment Defenders (APNED)
  11. Bahrain Institute for Rights and Democracy (BIRD)
  12. Cairo Institute for Human Rights Studies
  13. Campaign against Climate Change
  14. Center for Environment/FoE Bosnia and Herzegovina
  15. CIVICUS: World Alliance for Citizen Participation
  16. Committee for Justice
  17. Commonwealth Youth Peace Advocates Network Kenya
  18. Community Transformation Foundation Network (COTFONE)
  19. Consumers Association of Penang (Malaysia)
  20. Debt for Climate South Africa
  21. DIGNITY – Danish Institute Against Torture
  22. Egyptian Front for Human Rights (EFHR)
  23. Egyptian Human Rights Forum (EHRF)
  24. Egyptian Initiative for Personal Rights (EIPR)
  25. EgyptWide for Human Rights
  26. El Nadim Center
  27. English PEN
  28. EuroMed Rights
  29. Extinction Rebellion Oxford
  30. FIDH (International Federation for Human Rights), within the framework of the Observatory for the Protection of Human Rights Defenders
  31. Friends of the Earth Malta
  32. Friends of the Earth Scotland
  33. Gulf Centre for Human Rights (GCHR)
  34. Hijas de Alkebulan
  35. Human Rights Watch
  36. HuMENA for Human Rights and Civic Engagement
  37. International Service for Human Rights (ISHR)
  38. International Women’s Rights Action Watch Asia Pacific
  39. Intersection Association for Rights and Freedoms
  40. MARBE SA
  41. MENA Rights Group
  42. National Lawyers Guild International Committee
  43. National Lawyers Guild San Francisco Bay Area Chapter
  44. PEN America
  45. PEN International
  46. People in Need
  47. Project on Middle East Democracy (POMED)
  48. Refugees Platform in Egypt ( RPE )
  49. Rising Clyde
  50. Sinai Foundation for Human Rights (SFHR)
  51. Syrian Center for Media and Freedom of Expression (SCM)
  52.  Syrian Network for Human Rights (SNHR)
  53. The Center for International Policy
  54. The Committee to Protect Journalists (CPJ)
  55. The Tahrir Institute for Middle East Policy (TIMEP)
  56. Vigilance for Democracy and the Civic State
  57. War on Want
  58. West African Human Rights Defenders’ Network/Réseau Ouest Africain des Défenseurs des Droits Humains (WAHRDN/ROADDH)
  59. WHRDMENA Coalition
  60. WomanHealth Philippines
  61. World Organisation Against Torture, within the framework of the Observatory for the Protection of Human Rights Defenders

Aderimos à Carta da Diversidade

O Forum Demos aderiu esta semana à Carta da Diversidade, reafirmando o seu compromisso interno e externo com os Direitos Humanos. Alia-se, desta forma, a uma rede europeia de organizações dos setores público e privado da União Europeia empenhada em conceber e aplicar políticas eficazes em matéria de diversidade e inclusão.

Consulte o texto oficial da Carta da Diversidade, de seguida:

A Carta tem como princípio a Diversidade, entendida como o reconhecimento, o respeito e a valorização da(s) diferença(s) entre as pessoas, incluindo particularmente as diferenças relativas ao sexo, identidade de género, orientação sexual, etnia, religião, credo, território de origem, cultura, língua, nacionalidade, naturalidade, ascendência, idade, orientação política, ideológica ou social, estado civil, situação familiar, situação económica, estado de saúde, deficiência, estilo pessoal e formação.

A Diversidade numa organização é potenciadora de inovação, atração, retenção, promoção de talento e de competências diversas e representa uma mais-valia ao tornar a própria organização, um espelho da sociedade onde se insere e atua.

Valorizar as características, as competências e o talento de cada pessoa promove a igualdade de tratamento e de oportunidades, combatendo os estereótipos e as discriminações e fomentando uma cultura de inclusão baseada no respeito pelo ser humano.

Uma cultura de Diversidade contribui para o desenvolvimento pessoal e profissional, para a eficiência e competitividade das organizações e para a melhoria das condições sociais e económicas.

As organizações signatárias desta Carta assumem a Diversidade como um imperativo ético, traduzindo-se num princípio basilar e orientador da sua atuação interna e externa, fazendo parte dos seus valores e da sua identidade institucional.

As organizações signatárias comprometem-se a:

  • Assumir, ao nível da gestão de topo e dos outros níveis hierárquicos da organização, a criação das condições para a compreensão, o respeito e a promoção da Diversidade por todas as pessoas;
  • Desenvolver uma cultura organizacional baseada no respeito mútuo, no reconhecimento e valorização dos talentos e das diferenças individuais;
  • Promover práticas de gestão de pessoas que suportem os princípios da Diversidade e inclusão com um especial enfoque na igualdade de tratamento e de oportunidades no processo de recrutamento e seleção, na formação e desenvolvimento profissional, na avaliação, na progressão na carreira e na remuneração;
  • Promover a Diversidade como fonte de desenvolvimento e aprendizagem para além do crescimento económico, mas também como meio para alcançar uma existência intelectual, emocional, moral e espiritual mais satisfatória;
  • Privilegiar a criação de equipas de trabalho com base nos princípios e valores desta carta, valorizando as características distintivas e o mérito de cada pessoa;
  • Promover e respeitar a Diversidade através de metodologias, instrumentos de gestão e condições, incluindo o tempo de trabalho, que incentivem o desenvolvimento das pessoas, de acordo com as suas necessidades e características;
  • Assegurar que a comunicação da Carta e das atividades relacionadas com esta é feita a colaboradores/as, clientes, fornecedores, parceiros e à sociedade em geral por forma a potenciar o envolvimento e compromisso com os seus princípios;
  • Promover oportunidades para reflexão, aprendizagem e desenvolvimento de práticas promotoras da Diversidade, seja a nível interno, seja pela partilha entre as várias organizações signatárias ou em momentos públicos;
  • Analisar, avaliar e partilhar as atividades desenvolvidas e os resultados atingidos no âmbito desta Carta, promovendo a sua divulgação e contribuindo para o seu reforço a nível nacional e internacional.

É possível encontrar mais informações aqui e aqui.

Brasil: uma vitória histórica, por Mara Telles

Fotografia disponível no Site da Campanha de Lula à Presidência do Brasil 2022

Atualmente, nota-se a corrosão da confiança da opinião pública nas instituições representativas. Trata-se de fenômeno que atinge diversas democracias, o que tem sido denominado como democracia de democratas insatisfeitos. Alguns analistas consideram que tal insatisfação não se constitui em um problema, uma vez que as críticas à democracia podem ser neutralizadas por lideranças e instituições. Contudo, crescem no país grupos insurgentes contra o sistema, que passaram a dominar agendas, seja mobilizando a opinião pública nas ruas e nas redes ou obtendo cargos políticos. As direitas moderadas estão sendo atraídas ou se reposicionando em função desses movimentos de caráter autoritário, que são ágeis e forçam mudanças na pauta política, além de influenciarem outros partidos a adotarem seus temas. 

Continuar a ler “Brasil: uma vitória histórica, por Mara Telles”

«A Política Brasileira e Internacional – Uma análise da conjuntura» por Grupo de Análise de Conjuntura da CNBB

«Os tempos exigem muito cuidado com as análises de conjuntura. Não por outro
motivo que as complexidades que atravessamos, tanto no mundo como no Brasil, e nas dificuldades inerentes a apontar, de pronto, as causas e as consequências como se fossem resultantes apenas das ações políticas e econômicas. É muito mais. Há um conjunto de explicações e de fenômenos que se influenciam e se relacionam direta e indiretamente. Inobstante as fragilidades de qualquer explicação, vamos transformando-as em percepções acerca dos desafios e dos temas que surgem sempre em torno de uma ética
comum, compreender para transformar em torno do mesmo objetivo: o serviço e a presença da Igreja Católica em um mundo que nos exige cada vez mais fraternidade, caridade e comunhão»

Leia mais deste artigo do Grupo de Análise de Conjuntura da CNBB, aqui:

Este texto é um produto da equipa de Análise de Conjuntura da CNBB, de que faz parte Manoel Moraes. membro ativo do Forum Demos.

O grupo de autores do artigo é composto por membros da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, assessores, professores das universidades católicas e peritos convidados: Dom Francisco Lima Soares – Bispo de Carolina – MA, Pe. Paulo Renato Campos – Assessor de Política da CNBB, Pe. Thierry Linard de Guertechin, S.J. (in memoriam), Antonio Carlos A. Lobão – PUC/Campinas, Francisco Botelho – CBJP, Gustavo Inácio de Moraes – PUC/Rio Grande do Sul, José Reinaldo F. Martins Filho – PUC/Goiás, Manoel S. Moraes de Almeida – Universidade Católica de Pernambuco – UNICAP, Marcel Guedes Leite – PUC/São Paulo, Robson Sávio Reis Souza – PUC/Minas, Tânia Bacelar – UFPE, Maria Lucia Fattorelli – Auditoria Cidadã da Dívida, Melillo Dinis do Nascimento – Inteligência Política (IP) e Ricardo Ismael – PUC/Rio.

O presente artigo foi anteriormente publicado em http://cnbb.org.br/analisedeconjuntura.

Debate online: O futuro da democracia brasileira (resultados das eleições & desafios)

No próximo dia 31 de outubro, o Forum Demos vai transmitir live, no Youtube, o próximo debate sobre os resultados da segunda ronda das eleições brasileiras e os desafios que se põem diante deles. Neste encontro sobre o futuro da democracia Brasileira, como naquele que foi realizado após a primeira ronda, vamos juntar cidadãos, académicos e ativistas, dos dois lados do Atlântico. Juntem-se a nós! Para aqueles que não possam assistir em direto, disponibilizaremos a gravação no canal do Youtube do Forum Demos.

O Tiravidas

Por Leonardo Costa

É importante vencer em  Minas Gerais. Os dois candidatos sabem isso.

Os algoritmos Bannon de Bolsonaro dizem-lhes que têm de se colar aos símbolos nacionais de Minas e, digamos, a figuras do liberalismo político brasileiro como Tiradentes. À inconfidência mineira.

De Tiradentes o presidente candidato [Bolsonaro] tem muito pouco. Se alguma coisa ele tirou, no mandato que está a terminar, foi vidas. Foi e é um Tiravidas!… Veja-se a gestão que fez da pandemia. Veja-se o suporte prestado a grupos paramilitares (milícias, com fortes ligações ao mundo do crime). Veja-se o assassinato dos povos originários do Brasil, a invasão das suas terras (com muito grilagem de títulos de propriedade falsos). Veja-se toda a postura em relação à Amazónia.

..

De Tiradentes o presidente candidato [Bolsonaro] tem muito pouco. Se alguma coisa ele tirou, no mandato que está a terminar, foi vidas. Foi e é um Tiravidas!…

Em Minas e em todo o país é preciso dizer que o candidato Bolsonaro é, politicamente, um iliberal, um absolutista, alguém do antigo regime, contra a república. Aliás, apanhando-se com o poder absoluto, o caminho vai ser o da servidão, para a larga maioria dos brasileiros. Já agora, os amigos dele da internacional nacionalista (extrema direita) afirmam-se como iliberais. E todos eles, incluindo o candidato, são contra a separação dos poderes, são contra a separação da Igreja e do Estado, são contra a liberdade religiosa, são contra a liberdade em geral. Como bom absolutista, o próprio candidato diz que foi Deus que o colocou na presidência. Por outras palavras, que o poder que tem é de origem divina.

Em Minas e em todo o país é preciso dizer que o candidato Bolsonaro é, politicamente, um iliberal, um absolutista, alguém do antigo regime, contra a república.

E do ponto vista económico, a menos que se entenda criminalidade de mercado como liberalismo económico, também é difícil suportar que o candidato é um liberal e/ou a favor, digamos, da liberdade económica. E portanto, candidata-se por um partido que se diz de liberal mas que de liberal tem muito pouco. Mais uma das muitas Fake News ou notícias falsas. Como disse o candidato Lula no último debate, ele é o rei das Fake News. Diz-se politicamente um liberal porque lhe dá jeito. Se lhe desse jeito o contrário, diria o contrário. Aliás, diz coisas diferentes (e entre si contraditórias) para públicos diferentes. Os algoritmos do Bannon dizem-lhe que é assim que pode lá chegar.

E a uma semana do 2º turno, um esforço a fazer em Minas e em todo o Brasil, pelo candidato Lula, deveria ser o de espalhar Real News ou notícias verdadeiras sobre o candidato Bolsonaro, em particular nas redes sociais. Ir buscar todo o histórico gravado de dislates do candidato, dos filhos e da restante seita política durante o seu mandato. Que não sabia quantos mortos havia com a pandemia porque não era coveiro. Que para fechar o Supremo Trubunal Federal (STF) bastavam um soldado e um cabo (disse o filho, Eduardo Bolsonaro num vídeo). Etc. Foram muitos os dislates e estão gravados.

E a uma semana do 2º turno, um esforço a fazer em Minas e em todo o Brasil pelo candidato Lula deveria ser o de espalhar Real News ou notícias verdadeiras sobre o candidato Bolsonaro, em particular nas redes sociais. (…). Foram muitos os dislates e estão gravados.

Leonardo Costa

Porto, 23 de outubro de 2022

Direitos da Natureza, Direitos Humanos ou Património Comum da Humanidade? por Paulo Magalhães

Compreender a essência e os objetivos das novas correntes que desafiam a nossa perceção dos conceitos jurídicos, de sujeito, objeto, direito subjetivo e de relação jurídica, como é o caso das correntes de personificação de bens naturais, implica percebermos a sua origem, história e o seu porquê.

Sob o ponto de vista da “grelha de leitura” ocidental, considerar um rio, uma floresta, uma árvore, um animal ou uma montanha como um sujeito jurídico titular de direitos com uma esfera jurídica própria, mesmo que com algumas limitações, é no mínimo estranho.

Continuar a ler “Direitos da Natureza, Direitos Humanos ou Património Comum da Humanidade? por Paulo Magalhães”

O mundo de hoje – Teresa de Sousa

Teresa de Sousa

As palavras têm consequências

Depois de férias, caro leitor, cara leitora, é sempre difícil recomeçar o trabalho. Duas semanas em que a nossa atenção está concentrada em coisas muito mais simples e agradáveis como os netos, a praia, as bolas de Berlim, com creme ou com sem creme, os gelados, um bom restaurante à beira-mar, afasta-nos das agruras do mundo e do intenso ruido mediático em que vivemos mergulhados quase todos os dias. Mesmos que os alertas no telemóvel não nos deixem cortar com a realidade, à hora do telejornal há sempre um neto ou uma neta a ver um filme ou uma série da Netflix que não vamos, naturalmente, interromper. Podemos sempre aproveitar para ler mais umas quantas páginas de um dos livros que levámos para férias. Recomendo-lhe vivamente aquele que conseguiu ler: “A Fome Vermelha”, da consagrada Anne Applebaum. Falarei dele mais tarde. Ajuda-nos a compreender esta guerra terrível da qual depende o nosso futuro, que nos é recordada todos os dias pelas bandeiras da Ucrânia nas fechadas dos edifícios públicos de qualquer pequena vila ou cidade algarvia, das que visitei. E há sempre o ruído de fundo de um debate político que parece cada vez mais extremado e há os incêndios que, desta vez, foram combatidos com eficácia e organização, mas que nos deixaram os rostos aflitos de tanta gente que perdeu parte dos seus haveres e do seu ganha-pão. A Europa, sobretudo a Sul, ardeu furiosamente este Verão de temperaturas extremas e de seca severa como há muito tempo não se via, alertando-nos para que já não nos resta muito tempo para inverter o aquecimento global.

Continuar a ler “O mundo de hoje – Teresa de Sousa”

Manifesto – Em Defesa da Democracia na Tunísia

O Presidente da Tunísia,Kaïs Saïed, prepara-se para perpetuar o seu poder, plebiscitando o seu projeto de nova Constituição, através de um referendo, a realizar em 25 de Julho.

Faz agora um ano, manifestámos a nossa enorme inquietação com a declaração do “Estado de Segurança” pelo Presidente da Tunísia e alertámos para o risco de uma deriva autoritária capaz de pôr termo à transição democrática na Tunísia. Seriam assim seriamente comprometidas as conquistas no domínio da democracia e do Estado de Direito de que a Tunísia se tornou um exemplo inspirador para os povos da região e para o mundo. Infelizmente, as nossas preocupações eram fundadas.

O Presidente Kaïs Saïed, neste último ano, todos os poderes, dissolveu a Assembleia, eleita nas primeiras eleições livres da Tunísia, e fez do sistema judiciário um instrumento de poder pessoal, contra os que se opõem à re-instauração de um poder autocrático na Tunísia. Esta junta-se assim à lista, cada vez mais longa, dos regimes iliberais no mundo.

A Constituição tunisina de 2014, inspirada no modelo semi-presidencialista português, é uma das mais avançadas do mundo em termos de direitos, incluindo direitos ambientais, e das mulheres. 

Esta Constituição nasceu de uma longa e difícil negociação entre as diferentes forças políticas, condição essencial para o enraizamento da democracia. Foi um processo que acompanhámos com entusiasmo desde a primeira hora.

A revisão da Constituição, considerada necessária por muitos, deveria fazer-se de acordo com os seus preceitos e com base num novo consenso entre as forças políticas. Hoje, a esmagadora maioria dos partidos políticos e das organizações da sociedade civil opõem-se ao plebiscito da Constituição de Saied e apelam ao boicote de um referendo que consideram que abrirá o caminho a um poder antidemocrático e que fará regressar o país da revolução de Jasmim aos tempos do poder unipessoal.

Na Constituição proposta por Kaïs Saïed, o Presidente assumirá o controlo do poder judicial. As competências do Parlamento são  drasticamente reduzidas. O Presidente poderá servir dois mandatos de 5 anos, mas poderá estendê-los em caso de risco para a segurança do Estado.

O jurista Sadok Belaïd, encarregado por Saïed de redigir o projeto de Constituição, declarou que o texto final, que vai ser plebiscitado, pode “abrir a via a um regime ditatorial».

Não desconhecemos as enormes dificuldades económicas e sociais que os tunisinos, nomeadamente os mais jovens, enfrentam e que necessitam de respostas urgentes, só possíveis no quadro democrático.

Reafirmamos a nossa solidariedade com as forças políticas e organizações da sociedade civil tunisinas que continuam a lutar pela concretização dos objetivos democráticos e de justiça social da Revolução do Jasmim.

A União Europeia e a Tunísia estão ligados por profundos laços culturais e humanos e por acordos de associação que estipulam que o respeito do Estado de Direito é uma das condições básicas para o seu funcionamento eficaz.

Apelamos, por isso, à União Europeia e ao Conselho da Europa – onde a Tunísia goza do estatuto de “observador” – para que condenem energicamente a violação sistemática da ordem constitucional vigente e, em particular, a sua deliberada subversão através do referendo proposto.

Continuar a ler “Manifesto – Em Defesa da Democracia na Tunísia”

Boris -Por Francisco Seixas da Costa

No imaginário coletivo, o nome de Boris remete-nos para a Rússia. Ora Boris Johnson, que há horas se demitiu da chefia do governo britânico, é hoje, com elevada certeza, uma das figuras cimeiras na demonologia de Moscovo. 

Mais papista do que o Papa no tema ucraniano, isto é, mais ferozmente anti-russo do que os próprios Estados Unidos aparentam ser, Johnson julgaria ter encontrado, nos últimos meses, na frente externa, uma espécie de elixir compensatório para a sua crescente fragilidade interna. Hoje, terá finalmente aprendido que isso nunca é suficiente.

Continuar a ler “Boris -Por Francisco Seixas da Costa”