A Nato global: uma dúvida pertinente.

Neste momento de encantamento, justificado, com um presidente democrata com uma agenda progressista, Emmanuel Macron ousou exprimir sérias dúvidas sobre a pertinência da expansão da NATO para lá da área euro-atlântica.

A visita de Biden à Europa relançou as relações transatlânticas, no apoio claro que manifestou à União Europeia e na sua reafirmação das garantias de defesa mútua da NATO. Biden propôs, contudo, uma mutação estratégica fundamental para as relações euro-americanas: considerar que a China é um adversário sistémico e que contrariar o seu crescimento, e a termo a sua preponderância mundial, deve ser o novo propósito comum, incluindo da NATO. Tal significa empurrar os europeus, do ponto de vista das suas políticas de segurança e defesa, para a Ásia, o novo centro de gravidade da estratégia americana.

Continuar a ler “A Nato global: uma dúvida pertinente.”

Debate Luso-Brasileiro | Os Direitos dos Palestinos entre Dois Estados e um Estado Laico

O Forum Demos organiza na próxima segunda-feira, dia 5 de julho, pelas 18h30 (LIS)/ 14H30 (S. Paulo), um debate luso-brasileiro subordinado ao tema “Os Direitos dos Palestinos entre Dois Estados e um Estado Laico”.

O debate será introduzido pelo depoimento do ativista palestino Mohammad El Kurd e moderado por Álvaro Vasconcelos. Depois desta introdução o debate contará com o comentário de Ana Santos Pinto, professora de Estudos Políticos na Universidade Nova de Lisboa, e de Arlene Clemesha, professora de História Árabe na Universidade de São Paulo.

O debate será transmitido em direto através do canal de Youtube do Forum Demos (https://www.youtube.com/channel/UCKsPwVXQ1KWFsynKDFk8sig).

Os confrontos em Jerusalém, iniciados há mais de dois meses, e o mais recente ataque israelense à Faixa de Gaza, colocaram novamente a Palestina ao centro dos debates mundiais.
Diante da conflagração, perguntamo-nos quais os elementos novos e o que permanece inalterado na conjuntura local? Ainda faz sentido debater o caminho traçado em Oslo, da solução dos dois estados, ou deveria a sociedade civil mundial atuar a favor da formação de um Estado único, seja ele binacional ou laico? Que impacto pode ter a mudança da administração americana? Na conjuntura atual, é possível apontar uma via para garantir os direitos dos palestinos ?

Mohammad El Kurd é membro de uma das famílias palestinas ameaçadas de expulsão de suas casas no bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém oriental.

Suas casas têm sido alvo de ataques constantes de colonos israelitas e até de invasão e ocupação pelos mesmos. Aguardam que o Supremo Tribunal de Israel aceite suas apelações contra a expropriação de suas casas.

[síntese] Debate | Memória e Democracia: Direitos Humanos

Discussão entre os participantes do debate “Memória e Democracia: Direitos Humanos”

Após as intervenções iniciais dos dois oradores, Irene Pimentel e Pedro Dallari, o debate foi aberto a todos os participantes, que levantaram questões que elencavam os temas da memória, amnésia e justiça de transição com a emergência da extrema-direita internacionalmente, mas especialmente no Brasil e em Portugal.

Continuar a ler “[síntese] Debate | Memória e Democracia: Direitos Humanos”

[síntese] Pedro Dallari | Memória e Democracia: Direitos Humanos

Pedro Dallari, jurista e ex-presidente da Comissão Nacional da Verdade

Na qualidade de ex-presidente da Comissão Nacional da Verdade, criada em 2011 pelo governo de Dilma Rousseff, Pedro Dallari relaciona os resultados apurados pela Comissão ao nível das violações de direitos humanos perpetradas pelo regime ditatorial e ausência de condenações com a política atual brasileira.

Continuar a ler “[síntese] Pedro Dallari | Memória e Democracia: Direitos Humanos”

[síntese] Irene Pimentel | Memória e Democracia: Direitos Humanos

Iniciamos a publicação dos vídeos do Ciclo de Debates “Memória e Democracia” com o debate de abril subordinado ao tema dos “Direitos Humanos”, cuja publicação nos foi impossível previamente por questões logísticas. Estamos agora em condições de publicar os debates desde abril e aqueles que forem organizados doravante. Consideramos a sua publicação pertinente para a discussão política atual e para o nosso contínuo compromisso com o exercício de memória, instrumento fulcral da democracia e objetivo central da criação deste ciclo.

Os vídeos de todos os debates organizados pelo Forum Demos podem ser consultados no canal de Youtube (https://www.youtube.com/channel/UCKsPwVXQ1KWFsynKDFk8sig).

Irene Pimentel, historiadora

Baseando a sua intervenção na investigação que tem levado a cabo sobre a história da PIDE, Irene Pimentel alicerça o tema da violação dos direitos humanos levada a cabo pela polícia política durante o Estado Novo com aquele outro tema da memória e do processo inacabado da reparação por essas violações.

Continuar a ler “[síntese] Irene Pimentel | Memória e Democracia: Direitos Humanos”

[texto de apoio] O trabalho forçado no colonialismo português: além das fronteiras do império (1919-1962), por José Pedro Monteiro e Miguel Bandeira Jerónimo*

Nos últimos anos, têm-se multiplicado os trabalhos que procuraram resgatar ao esquecimento o papel das organizações internacionais na história, pelo menos, do último século    e meio. Trata-se de uma tendência historiográfica (ou de várias, na medida em que se distinguem por uma pluralidade significativa de objectos e sujeitos de inquirição, de aparatos epistemológicos, metodológicos e teóricos) que, com a consolidação e institucionalização do fenómeno da globalização, sobretudo após os anos de 1970, procurou olhar para o século pretérito e confrontá-lo com narrativas várias que se enfaixavam dentro dos estreitos limites de uma história contada a partir do estado-nação. Dado o registo histórico da violência nacionalista nos séculos XIX e XX, entende-se como natural uma reacção politicamente motivada a leituras da história que não deixavam de ter como referencial primeiro essa mesma unidade de análise.

Continuar a ler “[texto de apoio] O trabalho forçado no colonialismo português: além das fronteiras do império (1919-1962), por José Pedro Monteiro e Miguel Bandeira Jerónimo*”