Ciclo de Debates | Memória e Democracia – Justiça

O Forum Demos iniciou um novo ciclo de debates sob o título “Memória e Democracia”, comissariado Álvaro Vasconcelos. O segundo debate do ciclo terá lugar sexta-feira, dia 5 de Março, pelas 18h30 (Lisboa)/ 15h30 (São Paulo) e terá transmissão pelo Youtube, através do canal do Forum Demos.


Tanto Portugal como o Brasil viveram longos períodos de ditadura de extrema-direita, mas com o passar dos anos a consciência do passado ditatorial foi-se esfumando, o que  facilita a progressão de forças antidemocráticas.
Neste debate abordaremos a temática da “Justiça”, com José Vera Jardim, antigo Ministro da Justiça de Portugal (1995-1999), e José Eduardo Cardozo, antigo Ministro da Justiça do Brasil (2011-2016).


Qual era a relação, durante a ditadura, entre o poder e a justiça? Qual é a importância da independência da justiça? Como se garante a independência dos tribunais? O combate à corrupção em democracia e em ditadura, que diferenças? O papel dos advogados em defesa dos direitos humanos em Portugal e no Brasil durante a ditadura? Estas são algumas das questões que iremos discutir.

A MANIFESTO FOR THE NEW DECADE – REVIVING THE BARCELONA ACQUIS

George Joffé, University of Cambridge; Salam Kawakibi, CAREP Paris; Erwan Lannon, University of Gand; Gema Martin Munoz, Universidade Autónoma de Madrid; Abdallah Saaf ,CERSS, Rabat ; Alvaro Vasconcelos, Forum Demos

We propose that its ultimate objectives should be, as we suggested in 2005, to create a Euro-Mediterranean community of democratic states.

In November 1995, the European Union (EU) initiated a new, integrated vision for its relationship with its neighbours in the South Mediterranean – the Euro-Mediterranean Partnership (EMP).  Its purpose was to turn the Mediterranean basin, as proposed in the Barcelona Declaration, into an “area of dialogue”, “guaranteeing peace, stability and prosperity”. This was to be achieved through, “economic and social development, measures to combat poverty and promotion of greater understanding between cultures”. They were, after all, the values that the European Union was based on.

Ten years later, in 2005, the Foreign ministers of the EMP asked EuroMeSCo to review the progress it had made and to suggest ways in which the policy could be modified. EuroMeSCo produced a report entitled “Barcelona Plus: towards a Euro-Mediterranean community of democratic states” which contained a series of proposals as to how the policy could be improved to transform the Partnership. Over the past fifteen years, however, the European Union and the Mediterranean have experienced dramatic events that have profoundly changed, even marginalised, the environment in which this common policy has operated.

The problems

We believe, therefore, that the time has now come for a new review of the EMP in order to revive it after the tumultuous events of the past decade and to make it relevant for the contemporary world in which it will operate.  

We believe, therefore, that the time has now come for a new review of the EMP in order to revive it after the tumultuous events of the past decade and to make it relevant for the contemporary world in which it will operate.  

Any revived policy must be based on the three fundamental principles which informed the original policy, as outlined in the original Barcelona Declaration – peace and stability, prosperity and partnership.  In addition, it must reflect four essential ideas:

  • The primacy of fundamental human rights and values in governing the behaviour of states;
  • As a consequence, the rejection of power politics in relations between states;
  • This will also require the creation of a common economic area between them; and
  • All three ideas oblige states to place civil society at the core of regional integration, cooperation and reform.

These ideas, in turn, reflect the commitment of the original Barcelona Process to “develop the rule-of-law and democracy” amongst and within those states which are partners in the EMP. That, in turn, now requires each partner to base its governing practices on peace and equitability, especially in areas of explicit and implicit conflict between both states and communities, such as the Syrian or the Libya crises, or the Israel-Palestine dispute and the conflict between Morocco and Algeria, which supports the Polisario Front over claims to the Western Sahara. 

Associated with these objectives has been the changing role accorded to civil society over the past twenty-five years.  Up to 2008, the European Commission played a major role in prioritising support for South Mediterranean civil societies but, since the creation of the Union for the Mediterranean and priority given to governmental rather communitarian aspects of the process, civil society has been increasingly sacrificed to security and stability concerns designed to counter migration and extremism. In the aftermath of the democratic revolutions in the Arab world in 2011, the support given to autocratic states for these purposes further sidelined civil society.

In reality, Arab public opinion, now a decade after the Arab Spring, is at odds with European priorities and concerns.  The Arab Center for Research and Policy Studies in Doha, in its annual Arab Opinion Index for 2019-2020 points out that 76 per cent of its respondents regard democracy as the most appropriate form of governance for their countries and that 58 per cent had a favourable view of the objectives of the Arab Spring, with only 28 per cent opposing them In short, popular opinion the South Mediterranean, as well as those of their governments, are moving ever further away from current European priorities but remain close to the original aspirations of the Barcelona Process. 

The same can be said of the dominant concern of the European Union’s Member-states in countering migration flows, despite the very high human cost of the policies that they have adopted.  This has been intensified by the Union’s encouragement to the states of the South Mediterranean to cooperate with it in this endeavour, even if this might mean the undermining the protection of human rights within the region. And this, in turn, is also true of the outcomes of the economic reforms introduced by the Barcelona Process. These have done little to correct the chronic economic imbalances throughout the South Mediterranean region, largely because they have been based on a neo-liberal vision of what economic prosperity would require. Yet, in reality, it is not a question of the improvement of macro-economic indicators that is at stake but that of employment as a means to counter increasing poverty.

An alternative vision

Furthermore, the world in which the Barcelona Process was fashioned and refashioned in the past has profoundly changed over the past decade.  Apart from the generalised threat of the COVID-19 pandemic to all the states committed to the Barcelona Process, European anxiety over extremism and migration has marginalised the EU’s commitment to prioritising democratic values and governance in the Southern Mediterranean so that its normative influence has been similarly diminished.  

The anti-democratic trends in a number of European Union states, with populist leaders challenging the Union’s principles over the rule-of-law, have eroded its credibility amongst non-Union member-states. The current prospects of Turkish accession to the Union, once perceived as an important factor as an appeal to South Mediterranean states, has evaporated, whilst Turkey itself now faces a democratic crisis.  Growing American indifference to the promotion of the rule-of-law within a global community has opened the way for alternative patrons, such as Russia and, particularly, China to challenge its political and economic leadership of the global commons.  Regional competitors, such as the Gulf states led by Saudi Arabia and the United Arab Emirates, now challenge Iran and its supporters, as well as Turkey, for local geopolitical and sectarian dominance. 

And EU’s partners in the Southern Mediterranean have confronted major challenges as well. Libya and Syria have faced catastrophic civil war, peace between Palestine and Israel has effectively collapsed, whilst Egypt is subject to more authoritarian governance than ever before. Multiparty governance continues in the Maghrib but authoritarian tendencies are emerging and, in Algeria, the new presidency is confronted by popular discontent through the hirak. Only in Tunisia have the democratic gains of 2011 been preserved despite chronic economic disappointment.

We believe that, against this background, the time has come for the Barcelona Process to be revived from its current somnambulism and fashioned anew for the contemporary world in which it must now operate. This renewed policy must be planned for the long-term with established objectives that must not change.  We propose that its ultimate objectives should be, as we suggested in 2005, to create a Euro-Mediterranean community of democratic states.

  • In such a community, discrimination within it, such as the Union’s member-states’ current practice over migration for example, would be intolerable, being replaced by cooperative concepts such as Derrida’s vision of ‘hospitality’ instead. The resolution of the migrant issue would then become a collective responsibility, not one where certain states seek, as a matter of policy, to exclude the victims and repudiate responsibility for them.
  • As a democratic community, furthermore, political action by its members would primarily address the role of civil society in developing a democratic political culture. Such a culture would, furthermore, draw on all the cultural resources available to it that were participative and inclusive in nature, whether European, Arabic, Amazigh or Islamic in origin.
  • Integral to the priority to be given to civil society would be an equality of respect for human rights and the rule-of-law amongst community members which could not be traded off for the sake of security or political stability instead.  Such respect would not be limited to individual and cultural rights but would also include social and economic rights as well.
  • The respect for economic rights will require a complete revisualisation of the new community’s economic agenda.  The original neoliberal economic development policy adopted by the European Union has never effectively addressed the underlying economic problems that confront the Southern Mediterranean region – the provision of employment, particularly for youth. 
  • Nor have any of its subsequent iterations and, as both the World Bank and the IMF have begun cautiously to admit, the ‘Washington Consensus’ must now be replaced by a new vision of what economic development should mean.  This is particularly important in the light of the pandemic and the growing implications of climate change and their likely effects in the South Mediterranean region.
  • The Union’s major priority in these respects should be the socio-economic situation in Tunisia.  There, poverty and  unemployment amongst youth, in particular, accelerated  by the pandemic and the country’s chronic lack of financial resources, is creating a major challenge to its consolidation of democratic governance. 

The disruption and regression throughout the Middle East and North Africa over the past decade have, however, been so severe and fragmented in their effects that it is idle to suppose that revitalised policies of the kind that we have suggested above can simply be applied at the same pace and to the same uniform degree as had been the case in 1995.  In addition, the states of the Maghrib are likely to be far more amenable to such a renewed Barcelona Process than the states of the Mashriq, given the recent separate experiences of the states within each region.

A meeting in Barcelona in November 2020 of the foreign ministers of the member-states of the Union for the Mediterranean – the ‘Euromed’ group of European Union member-states and their sixteen Southern Mediterranean partners which operates in parallel with the Barcelona Process –recognized that there was a need to give priority to activities where the Euromed could “play a crucial role and provide for a comparative advantage.”  These include environmental and climate action, sustainable and inclusive economic and human development, social inclusiveness and equality, digital transformation, and civil protection.  These priority activities are certainly related to those of the Barcelona Process but the ways in which each process approaches them differ.  There is, however, still time for reflection on how this issue can be addressed through a renewed partnership between the north and the south of the Mediterranean, given the fact that the anticipated Joint Communication on such a partnership is still under discussion.  It is an opportunity that must not be missed, given the new multi-annual framework that the European Union has adopted.  Such a discussion would, then, address the bilateral dimension of Euromed relations.

We propose, therefore, that the introduction of new policies designed to create a community of democratic states should adopt a wider variable geometric approach, being shaped to accommodate the differential disruptions and fragmentation of the recent past.

We propose, therefore, that the introduction of new policies designed to create a community of democratic states should adopt a wider variable geometric approach, being shaped to accommodate the differential disruptions and fragmentation of the recent past. In this respect, Tunisia, Morocco and Algeria – together with all other states willing to do so – should be asked to help the European Union to evaluate the effectiveness and relevance of the detailed policies proposed to achieve a new community of democratic states in Europe and the Mediterranean. Only then can the Barcelona Acquis be recovered and a new, hope-filled agenda for the decades to come be defined. 

Lisbon,2 February 2021

George Joffé, University of Cambridge 

Salam Kawakibi, CAREP Paris

Erwan Lannon, University of Gand

Gema Martin Munoz, Universidade Autónoma de Madrid

Abdallah Saaf ,CERSS, Rabat 

Alvaro Vasconcelos, Forum Demos

Biden: os dilemas de uma política externa progressista

Álvaro Vasconcelos 

Biden, no Departamento de Estado, defendeu uma política externa progressista afirmando o seu compromisso para com a defesa dos  Direitos Humanos, uma solução diplomática para a crise humanitária no Iémen,  pondo termo ao apoio à guerra criminosa da Arábia Saudita  e avisou Putin de que os anos de cumplicidade de Trump com autocratas chegaram ao fim. 

Biden afirma que “o nacionalismo, o iliberalismo, o autoritarismo e a xenofobia” avançaram, fragmentando a ordem internacional, criando um fosso entre a consciência universal e a capacidade das instituições para protegerem a nossa humanidade comum, como o fracasso da resposta da comunidade internacional à pandemia o comprova.

As medidas já tomadas por Biden e Harris na ordem interna mostram uma presidência empenhada em unir a América na sua diversidade étnica e social. Passar-se-á o mesmo em relação ao Mundo? 

A  transição de poder do Ocidente para a região Indo-Pacífico acelerou-se nos anos de Trump, sobretudo pela continuação da emergência da China e, embora menos intensa, pela progressão da Índia. As consequências da pandemia, a forma como a China tem sabido combatê-la, tendem a antecipar o momento em que os Estados Unidos deixarão de ser a principal potência económica – muito provavelmente, nesta década.

O America first de Trump — a tentativa nacionalista de trocar as voltas ao mundo para retornar ao tempo da hegemonia americana  — estava condenado ao fracasso. Biden anunciou “o regresso da diplomacia” , e pretende reconstruir a ordem multilateral liberal “sob liderança americana”, restabelecendo “as alianças democráticas” , nomeadamente, com os Europeus, que Trump tratava como “inimigos.” 

A ordem internacional liberal assentava na predominância das democracias na ordem internacional no fim da II Guerra Mundial. Hoje, não é só o peso da China que se tornou um obstáculo, é também o facto de a regressão democrática ter enfraquecido o campo das democracias. Esta regressão foi particularmente sentida em potências emergentes com ambição global, como a Índia e o Brasil, mas também em potências regionais como a Turquia. 

Nada parece indicar que  a administração Biden aceite o inevitável  crescimento económico e tecnológico da China, o que pode ser o calcanhar de Aquiles da sua política internacional. 

Nada parece indicar que  a administração Biden aceite o inevitável  crescimento económico e tecnológico da China, o que pode ser o calcanhar de Aquiles da sua política internacional. 

Biden irá certamente continuar a garantir a superioridade militar dos Estados Unidos, tentará impedir que a China ganhe a batalha da transição tecnológica e  procurará recuperar o soft power americano, o seu poder de atração, a sua capacidade de influência, como diz Biden “não pelo Exemplo do Poder, mas pelo Poder do Exemplo.”

A convicção de Biden é que só reforçando o campo democrático, contrariando o avanço da extrema -direita, será possível reconciliar a interdependência com a capacidade da comunidade internacional para responder aos desafios comuns como a pandemia e a urgência climática e a proliferação .

Contudo, as democracias, para responderem aos desafios globais, têm de serem motores de uma ordem internacional capaz de congregar o esforço de estados autocráticos, como a China ou a Rússia, com os liberais. 

 O regresso dos Estados Unidos ao acordo de Paris sobre o clima  e à OMS são a prova das convicções multilaterais da nova administração, assim como é a disponibilidade para regressar ao acordo nuclear com o Irão ou a extensão do Novo Tratado Start, de limitação das armas nucleares, com a Rússia. 

A grande questão que continua  em aberto é a posição de Biden em relação à Organização Mundial do Comércio (OMC).

A OMC é  a instituição-chave das relações com a China, se a administração Biden ali quiser dirimir as divergências comerciais, será possível construir um multilateralismo inclusivo e, por isso, mais eficaz, eventualmente capaz de integrar a China num sistema de normas e regras comerciais e tecnológicas.  

A Cimeira das Democracias de Biden, a ter lugar ainda este ano, é a continuação lógica, a nível internacional, da luta contra o populismo na ordem interna, em que serão discutidas questões como a corrupção, a segurança dos processos eleitorais, a desinformação, a responsabilidade das redes sociais e os modelos autoritários.

A Cimeira das Democracias de Biden, a ter lugar ainda este ano, é a continuação lógica, a nível internacional, da luta contra o populismo na ordem interna, em que serão discutidas questões como a corrupção, a segurança dos processos eleitorais, a desinformação, a responsabilidade das redes sociais e os modelos autoritários.

A Cimeira corre, contudo, o sério risco de ser vista como a criação de uma aliança anti chinesa, o prenúncio de uma nova bipolaridade. 

O regresso dos Estados Unidos ao multilateralismo e a afirmação de uma política externa progressista dever ser saudada por todos, mas  a credibilidade americana está profundamente ferida. 

O fantasma de Trump é um sério obstáculo, pois muitos dos aliados dos Estados Unidos temem que esta seja só uma presidência de 4 anos e que Biden fique sujeito a uma forte pressão interna isolacionista. Mas podemos pensar também, olhando para as medidas que a administração Biden já tomou, e se propõe tomar no combate às desigualdades sociais e raciais, que elas poderão prevenir o regresso ao poder de um líder populista em 2025. 

Proteger os ideais democráticos, combater o populismo, defender os direitos humanos e, ao mesmo tempo, reformar a ordem internacional, de forma a corresponder à nova realidade do poder internacional, é o dilema que pode e tem de ser superado. O futuro da  União Europeia depende do sucesso de  tal projeto.

Versão revista do artigo do Público de 7 de Fevereiro de 2021

Combater a extrema-direita em várias frentes para resgatar a democracia, por Mariana Riquito*

Quando, em outubro de 2019, André Ventura (AV) foi eleito deputado pelo CHEGA para a Assembleia da República, escrevi um artigo onde alertava para os perigos da expansão desta força antidemocrática. Analisar as razões que levam alguém a votar num candidato com uma retórica abertamente xenófoba, racista, homofóbica e machista permite-nos tecer conclusões sobre como combater este discurso que resulta na legitimação da violência e da discriminação. Hoje, importa entender como esta retórica combinada com a estética “anti-sistema” são apelativas já não apenas para 67 mil portugueses, mas para quase meio milhão. Embora não equiparando a atual conjuntura à de 2019 nem umas eleições legislativas a umas presidenciais, há certos padrões transversais às duas, que nos ensinam muito sobre o desafio da extrema-direita em Portugal. Precisamos aprendê-los se queremos combater esta força antidemocrática.

Ainda que espalhado por todo o país —  AV tem votos em todos os concelhos (tal como em 2019) e, de entre os 308 concelhos, fica em segundo lugar em 208 —, é sobretudo no Sul do país que consegue captar a maioria do seu eleitorado. Nos distritos de Beja, Évora, Faro, Portalegre, o líder do partido de extrema-direita ficou sempre acima dos 15%. Apesar do patético precipitadismo de Rui Rio na noite eleitoral, sabemos já que não houve transferência de votos  comunistas para o CHEGA no Alentejo, desde 2001 eleitoralmente dominado pelo PS, aliás. De facto, os concelhos alentejanos onde AV teve maior expressão são aqueles que, na última década, menos votaram no PCP. Há, porém, um dado específico ao Alentejo que importa reter: é nesta região onde, segundo o Estudo Nacional sobre as Comunidades Ciganas de 2014, estão situadas mais de 20% das comunidades ciganas que se encontram em território nacional. O mesmo Estudo revela que, no Alentejo e no Algarve, as comunidades ciganas são as mais pobres e mais vulneráveis do país.

Ora, os dados demonstram que a retórica de AV penetra mais facilmente nos locais onde há maior peso relativo desta comunidade. Foi em Póvoa de São Miguel, em Moura, que o candidato obteve a sua maior votação (41, 23%), tendo ficado inclusive à frente do Presidente reeleito. Nesta aldeia, 20% dos habitantes são de etnia cigana e, como demonstra a reportagem do DN, a ciganofobia que já se vivia na rua encontrou, agora, uma representação política legítima na figura de AV. Sabemos que o racismo estrutural em Portugal, nomeadamente contra as comunidades ciganas, é esmagadoramente brutal. Segundo o mais recente European Social Survey, 62% dos portugueses manifestam racismo e/ou xenofobia e mais de 60% das comunidades ciganas portuguesas afirmam terem-se sentido discriminadas nos últimos anos. AV, ao fazer uso de uma retórica abertamente ciganofóbica, consegue captar parte do eleitorado que se revê nas suas posições abjetas e abertamente discriminatórias.

Para além desta penetração junto de locais semeados de “distância e indiferença”, a retórica de AV capta, desde 2019, muitos adeptos em locais com menor poder de compra e onde há menos hospitais, e isso não foi exceção este ano. Há décadas que as zonas interiores do país são marginalizadas pelo poder central em prol de um modelo de desenvolvimento focado nos centros urbanos. E é no interior, de norte a sul do país, que AV consegue obter os seus melhores resultados. Para uma população que não consegue atingir níveis dignos de qualidade de vida, que é obrigada a atravessar crises sucessivas e simultâneas, que se sente abandonada pelo sistema, é normal que a retórica “anti-sistémica” funcione. Mais ainda quando esta se serve de um “bode expiatório” em quem expiar a culpa. De facto, o empobrecimento da população, a falta de apoios do Estado, o enfraquecimento — senão mesmo esquecimento — dos serviços públicos ajudam a fomentar o ódio e o ressentimento contra comunidades sistematicamente construídas enquanto “ameaças internas”. Por isso, o combate à extrema-direita joga-se na arena das políticas públicas. A extensão e a consolidação dos direitos de acesso à saúde, à educação, à habitação e às infraestruturas são cruciais para resgatar parte da população nacional que se sente abandonada. O frustrante sentimento de desamparo exprimido por tanta gente só será colmatado defendendo acérrimamente a sua cidadania plena.

Porém, a concretização dessas políticas públicasdepende de um ideal mobilizador, capaz de combater a hegemonia neoliberal, capaz de recuperar laços de solidariedade social, capaz de defender intransigentemente a democracia. Por isso, nas ruas, nos bairros, nas Universidades, nos locais de trabalho, o combate à extrema-direita terá de passar pela construção de pontes de diálogo promotoras da justiça social, da tolerância, da empatia para com o Outro. Perante a face mais destrutiva deste sistema camuflada de uma retórica “anti-sistémica”, urge recuperar a força das alternativas sistémicas emancipadoras e promover horizontes utópicos de esperança. E isso implica levar a sério as lutas feministas, antirracistas, LGBTQIA+. Mostram-nos as experiências transnacionais que quem vota em candidatos como Donald Trump ou Jair Bolsonaro fá-lo para manter o seu estatuto de privilégio — do homem em relação à mulher, do branco em relação ao negro, do heterosexual em relação a minorias sexuais, etc. O combate à extrema-direita depende, por isso, do combate ao racismo estrutural, ao patriarcado, à heteronormatividade, e a todas as estruturas de opressão. Urge abraçar com firmeza a interseccionalidade das lutas emancipadoras e afirmar com determinação as ideias igualitárias, dando espaço para que novos sujeitos e subjetividades políticas inundem o espaço público.

Há meio milhão de portugueses que temos de ir resgatar à desesperança, à desconfiança, ao medo. Esse combate-resgate faz-se em várias frentes. Todas elas serão necessárias se queremos preservar a nossa democracia. Mais ainda se queremos abrir caminho para novas formas de fazer política — mais justas, solidárias e inclusivas.

*Mariana Riquito é Investigadora Júnior no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. É Mestre em Sociologia e Ciência Política pelo Instituto de Estudos Políticos de Bordéus e Mestre em Relações Internacionais pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.

Webinar Forum na Árvore

O Forum Demos retomará os debates livres que organizava na Cooperativa Árvore, desta vez em formato online, na próxima sexta-feira, dia 12 de fevereiro, pelas 18h30 (Lisboa)/ 15h30 (São Paulo), e com transmissão pelo Youtube, através do canal do Forum Demos.

As últimas eleições presidenciais confirmaram que Portugal já não é exceção, que tínhamos voltado a ter de contar com uma força de extrema-direita com um discurso de ódio racial e populista, que usa a calúnia  contra as forças progressistas. 

As diferentes forças democráticas propõem estratégias diversas para combater o Chega. Há os que consideram que é necessário denunciar o caráter anticonstitucional, reacionário, neofascista do partido da extrema-direita. Há  os que consideram que se exagera o perigo que esse partido representa e que se deve apostar na sua normalização. Há quem considere que a melhor resposta, para não contribuir para a popularidade mediática da formação, é o silêncio, acompanhado da resolução das desigualdades sociais que afastam cidadãos da democracia. Qual deve ser a resposta dos democratas à extrema-direita em Portugal? O que ensina a experiência dos outros países, nomeadamente,  do Brasil? Estas são algumas das questões que iremos discutir.

Quem vota no Chega?!, por Rui Calado*

Tal como milhares de outras pessoas, integrei as mesas das últimas eleições presidenciais, algo que faço recorrentemente ao longo das últimas duas décadas. Um dos momentos mais esperados é, sem sombra de dúvidas, a contagem dos votos. É fascinante porque, pode-se finalmente começar a extravasar sentimentos relativamente aos resultados. E, simultaneamente, um momento angustiante, porque começamos a perceber o ódio, descontentamento ou frustração que vem à tona através dos chamados votos nulos. Com frases cheias de imaginação, mas que demonstram todo esse recalcamento e que me muitas vezes me dou pensar: “estas pessoas deslocam-se até aqui para fazer isto?!”.


Desta vez, na minha secção de voto não existiu “desabafos” nos votos nulos. Parece-me que, esse facto deve-se, em grande medida, à canalização deste tipo de descontentamento para a candidatura da direita radical. É verdade que, tanto Vitorino Silva, agora, como em 2016, como José Manuel Coelho, em 2011, já tinham recebido mais de 150 mil votos do chamado voto protesto. O candidato André Ventura acrescenta a “credibilidade” dada pela sua capacidade oratória e imagem, a visibilidade mediática durante vários anos em programas televisivos de debate futebolístico, legitimação dada por sectores da chamada “direita democrática” e uma estrutura partidária financiada por um milionário com passado obscuro. Porém, seria manifestamente improvável e até redutor que este tipo de descontentamento justificasse, por si só, os quase 500 mil votos no candidato da extrema-direita.


O apoio às ideias de André Ventura cresceu em todo país: desde o interior abandonado e ostracizado, passando por sectores de classe média, que sentem que estagnaram nas últimas décadas, e terminando em zonas de poder de compra mais elevado, sedentos de uma política fiscal ultraliberal. O interior do
país, não apenas no Alentejo onde André Ventura teve resultados acima dos 15%, são zonas remetidas ao abandono pelo Estado Português. Estas populações têm-se confrontado com o encerramento de serviços públicos, por sucessivos governos, como os correios, os tribunais e escolas. Se somarmos a falta de
expetativa de futuro, designadamente do direito ao trabalho condigno, temos o espaço ideal para o discurso populista e, aparentemente, antissistema, proliferar.

A falta de perspetiva de futuro, ou mesmo o medo, não são exclusivos do interior. No litoral, em distritos como Lisboa, Setúbal, Faro, Leiria e Santarém, a candidatura do Chega conseguiu resultados relevantes oscilando entre 12.5% (Leiria) e os 16.69% (Faro), demonstrando adesão de vários sectores da população, que vão das classes mais populares até à classe média, com uma retórica de voto de protesto. Junto das elites, o programa político-económico de cariz ultraliberal, propositadamente escondido da maioria da opinião pública, com propostas como a privatização de sectores da saúde, da segurança social, da educação e da tributação única sobre o rendimento, de apenas 10%, são fatores determinantes para o apoio desta classe ao Chega. Os bons resultados obtidos em freguesias como Cascais e Estoril (Concelho de Cascais) com mais de 18% dos votos (quando nas legislativas o CDS já tinha conseguido quase 10%) ou em Belém com quase 15%, (onde o CDS logrou mais 11%) são o espelho desta adesão de sectores da direita tradicional ao Chega.

Nas freguesias mais abastadas do Porto, onde a direita tem alguma relevância, esta transferência de votos não se verificou. Em grande medida pelo facto de um candidato liberal, que ficou em segundo lugar de algumas destas freguesias, ser portuense e existir uma resistência efetiva à figura do André Ventura.


Desta amálgama, sociologicamente e geograficamente heterogénea, soma-se a emergência de sentimentos estruturantes da sociedade portuguesa como o machismo, misoginia, racismo, xenofobia, homofobia que se refletem nas mais diferentes vertentes como nos manuais escolares, na marcação do espaço público, narrativas hegemónicas sobre a História de Portugal, no número de feminicídios, entre outros. E que têm, o quanto antes, de serem amplamente discutidos e enfrentados por toda nossa sociedade.


O combate à extrema-direita tem de ser realizado através da radicalização da democracia, ou seja, lutando contra as desigualdades sociais e económicas e aprofundando a participação democrática. Vivemos momentos perigosos, mas, simultaneamente, desafiantes.


*Doutorando em História e investigador no CEIS 20.