Impacto da Pandemia nas Minorias, por Cláudia Coelho

A pandemia da Covid-19 veio evidenciar ainda mais as desigualdades sociais e em saúde que existem na nossa sociedade.

A batalha é comum: conseguir quebrar as cadeias de transmissão e reduzir os impactos nos serviços de saúde, na economia e na sociedade. Porém, o acesso à saúde e as condições laborais variam consoante os grupos.

Em Portugal existe uma grande heterogeneidade nas populações migrantes, quer em termos de origem, situação socioeconómica, quer em acesso aos serviços de saúde e sociais. Para estas pessoas que de uma forma geral têm empregos onde há contato com o público ou grupos de risco (empregados de limpeza, cabeleireiros, funcionários de lares, construção civil etc) acresce ainda a necessidade do uso de transporte públicos, sendo o risco de infeção muito maior.

A situação não é muito diferente em outros países. Michelle Bachelet, Alta Comissária dos Direitos Humanos da ONU, afirmou que descendentes de africanos e outras minorias étnicas sofrem mais com a pandemia em países como Brasil, França, Reino Unido e Estados Unidos devido à sua situação socioeconómica.

 No Estado de São Paulo, as estatísticas apontam para que os negros tenham mais 62% de chance de morrer de Covid 19 do que pessoas de cor branca. No Rio de Janeiro, as populações das favelas denunciam falta de água e sabão, medida preventiva básica à qual não têm acesso. Em finais de maio, havia 15 estados brasileiros que tinham menos mortes do que aquelas ocorridas nas favelas cariocas. Os números da Covid-19 em todo o estado do Rio de Janeiro são igualmente expressivos quando comparados com dados da criminalidade. Em apenas dois dias, o estado registrou mais mortes pela doença do que o número de assassinatos de qualquer mês de 2020.

Atualmente (dia 17 de julho) no Rio de Janeiro, segundo a plataforma “Painel Unificador COVID-19 Nas Favelas do Rio de Janeiro” ocorreram 751 óbitos e 5410 casos confirmados apenas nas favelas cariocas.

O Brasil é o segundo país com maior número de infeções e óbitos, sendo preocupante a desigualdade social existente que aumentará com as consequências da crise económica e o descrédito feito pelo presidente Jair Bolsonaro quanto à doença.

Nos Estados Unidos, o país mais afetado pela pandemia, a taxa de morte de afro-americanos é mais que o dobro da de outros grupos étnicos. É o caso da área metropolitana de Milwaukee, em Wisconsin que no começo de Abril, em 49 mortes tinha 72% que eram de cidadãos negros mesmo que a população afro-americana fosse de 26%.  Para os especialistas, esta disparidade nos números é fruto de desigualdades estruturais que fazem com que comunidades negras no país fiquem mais suscetíveis ao contágio e tenham mais chances de desenvolver formas graves da covid 19. Muitos americanos negros não têm acesso ao plano de saúde, acrescendo ainda mais o risco numa situação de emergência como esta. Nos EUA, ainda não há números oficiais relativos ao país inteiro, uma vez que muitos Estados e cidades não divulgam a etnia dos pacientes infetados ou que faleceram com o vírus.

No Reino Unido, há já estudos que comprovam que pessoas de minorias étnicas morreram em maior número do que compatriotas brancos. A Direção Geral da Saúde de Inglaterra reconheceu a discrepância, mas não apresentou nenhuma recomendação e o governo não ofereceu nenhuma alternativa. As populações de origem engra, asiática e de outras minorias enfrentam um risco maior no caso de uma segunda vaga. Segundo o Guardian, os grupos minoritários estão representados nas mortes de Covid-19, correspondendo a 27% do total. São estes que estão mais sujeitos a contágio por não terem opção de ficar em isolamento ou sem trabalho.

Nas palavras da alta-comissária, “A luta contra essa pandemia não pode ser vencida se os governos se recusarem a reconhecer as flagrantes desigualdades que o vírus está a trazer à tona”. O acesso desigual a saúde e oportunidades econômicas por parte das minorias  é um fator crucial nas altas taxas de doenças crônicas nessa população que, por sua vez, faz com que sejam mais vulneráveis aos efeitos da covid 19.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: